Infelizmente estes números existem, por isso há que reflectir

09/02/2011

 Foto Pesquisa Google

"43 mulheres foram mortas em Portugal em 2010, vítimas de violência doméstica 

O ano passado foi o segundo pior desde que, em 2004, a União de Mulheres Alternativa e Resposta começou a recolher notícias. Os dados dos tribunais são igualmente preocupantes.

O namorado espetou-lhe uma faca de cozinha no peito. Tinham discutido por telefone e a rapariga de 23 anos precipitara-se para casa dele - um rés-do-chão de um prédio do Montijo. Ana Carvalho foi a primeira a morrer em 2010, o segundo pior ano desde 2004, aquele em que o Observatório de Mulheres Assassinadas iniciou a recolha destas notícias na imprensa.

A lista de nomes é longa. Constrói-se a partir de notícias publicadas nos diários nacionais, que vão sendo agrafadas em molhinhos de dois, três ou quatro e enfiadas numa capa de argolas. Depois das notícias sobre Ana, as notícias sobre Sofia, de 29 anos, morta a tiro pelo namorado, em Corroios, Seixal. Sofia já arrumara as suas coisas. Ia reiniciar a sua vida longe dele" 
Restante notícia aqui 

Não conseguimos imaginar as histórias de terror que se passam em muitas casas em Portugal. E que infelizmente ganham contornos extremos quando falamos em morte. A tendência seria um número quase vez menor, fruto da maior visibilidade que este fenómeno tem, mas sabemos que a realidade ainda está longe disso. 
"Entre marido e mulher ninguém mete a colher" - não podia estar mais em desacordo em relação a isto. Compete-nos a nós, enquanto sociedade civil, mudar isto. 
Afinal no ano passado 43 mulheres morreram. E muitas outras não conheceram final tão trágico mas vivem num filme de terror todos os dias. 

8 comentários:

Miss Crises disse...

É triste!

ana disse...

Mais que concordo com isto. E devemos encarar este problema como transversal ao sexo das vítimas. Ainda anteontem deu uma reportagem na TVI sobre homens que são vítimas de violência doméstica e penso que isso ainda tem dificuldade acrescida pelos preconceitos da nossa sociedade em relação ao papel do homem. Se demorou a vermos as mulheres como vítimas e não com aqueles olhos de «se apanha é porque fez alguma coisa para o irritar como não ter o jantar pronto na hora em que ele chegou», muito mais demorará a vermos um homem que é vítima com a dignidade que merece.

Mas como é dito, devemos todos saber que é um crime público e que devemos denunciar.

Deixo um vídeo que retrata bem a mentalidade das pessoas. E não é só aqui, pelos vistos. É muito interessante.

http://www.youtube.com/watch?v=BW30WslahMc

Tanita disse...

Realmente é inacreditável... e quantas sofreram em silêncio?
Bj**

S* disse...

Se algum elemento do casal é maltratado, temos é mais que nos meter no meio.

Nokas disse...

É triste, muito triste...

Com Duas Pedras de Gelo disse...

Infelizmente é um problema que tarda em resolver-se. É preciso continuar o trabalho de sensibilização, mas só isso não basta.

Maggy disse...

conheço casos e casos, e o que me irrita é ver as mulheres a pensarem que tudo ainda é normal...
Há que agir, conformam-se e depois chegam ao extremo da morte...

*C*inderela disse...

e o problema é que a lei não protege a vitima!