No reservations - Em Lisboa

14/05/2012




Sendo eu uma viciada no programa no reservations, tive de ir ver o programa sobre Lisboa. Esta última semana fomos inundados de noticias sobre o programa que foi para o ar nos EUA e que deu a conhecer a música dos dead Combo :)
Eu gostei do programa, mas tive vontade de mandar calar o António Lobo Antunes. Tudo o que ele disse sobre nós deprimiu-me. É logico que também não vamos dizer que somos os maiores, mas num programa sobre comida era escusado ser tão derrotista.
Em relação à comida, o Anthony gostou de tudo! E até eu fiquei a suspirar por não poder ir experimentar sempre que nos apetece os restaurantes de grandes chef's como o Henrique Sá Pessoa ou o do Ljubomir stanisic. Os peixinhos da horta também tinham um aspecto fantástico.
No entanto, também sou da opinião que Lisboa é muito mais bonita do que as imagens recolhidas, avaliando no seu conjunto, metade do programa foca o eléctrico e eu adoro o eléctrico e o romantismo de termos um eléctrico naquela zona de Lisboa e até acho que podia ter sido positivo, se não tivesse sido em erxcesso. O programa foi gravado no Natal, e isto praticamente não se percebe, dado o corte radical de luzes natalicias. Nas imagens não se viram as pessaoas jovens e bem vestidas de Lisboa. Sinceramente, vi tantos idosos, de camisa aos quadrados e equipamento do SLB que mais uma vez, acho que não reflecte a Lisboa que eu conheço. Faltou luz a Lisboa, a luz do Verão. Faltaram pessoas giras e o movimento dos carros para mostrar que é a capital e não uma cidade pequena com casas velhas e azulejos partidos.
Faltou o movimento do bairro alto. Talvez para uma próxima.

5 comentários:

Jo disse...

Também vi e gostei. E de facto, aquela conversa na casa de fados, com o António Lobo Antunes e a Carminho foi... deprimente. Pronto. Ele próprio comentou isso...

Micas disse...

Cara Lila, Ao contrário de ti fiquei agradavelmente surpreendida c/ Antº Lobo Antunes, saiu da sua "toca" p/ estar ali e pq foi ele próprio e tem noção da realidade q o país atravessa, do q fomos, da nossa inegável história e o q somos. Ele é dos q não tem muitos motivos para se rir, pois só o facto de ter servido o nosso país na Guerra do Ultramar não deve ter deixado cândidas memórias. Cada um tem a sua visão do país e ele falou da dele. Estavas à espera de ver pessoas bem vestidas?? Então, tens um grande exemplo desta nova geração de fadistas, que vai perpetuando a tradição do fado, sendo original em cada canção. é o que falta a muita jovem bem vestida, é originalidade. É certo q Lisboa é muito mais do q mostraram, contudo o Tony não esteve cá para fazer um programa para uma agência de viagens, mas sim para o seu "roteiro" gastronómico. E não há nada mais autêntico do q um tasco antigo, c/ história. E a autênticidade de Lisboa está mesmo no seu elétrico, nos azulejos seculares (partidos). De facto faltou o Bairro Alto, só q, pensado bem, o q é q o Bairro Alto tem? Ruas ingremes e suspeitas, c/ cheiro a cerveja, vinho (e outros liquidos q não vou mencionar agora), garrafas e pessoas sentadas nas soleiras das portas...
Ahhhh, realmente há pessoas q vivem num conto de fadas e não querem acordar. Faltaram as luzes, o movimento dos carros de Lisboa (topo de gama, de preferência! Se fosse uma lata velha (ainda q já pago) já não ficava bem na fotografia!) NO RESERVATIONS!...

LaranjaLima* disse...

Sinceramente não adorei!
Gostei de ver por ter sido gravado no meu país, mas não acho que o retrate em termos gastronómicos.

Em nenhum outro episódio vi tantas refeições em restaurantes "chiques" e de chefe. Porquê em Lisboa (em Portugal)? Logo neste país que é tão característico pelas tascas...

E os pastéis de Belém? E as sardinhas (OK, aqui dou o desconto, já que não era a sua época)?

Na minha modesta opinião, houve quem quisesse fazer publicidade aos restaurantes dos ditos chefes... e o episódio ficou a perder por isso!

Mas opiniões são isso mesmo, apenas opiniões...

Periquito disse...

A minha ideia do "no reservations" é exactamente igual ao comentário que fiz ao post sobre o programa "gente da minha terra". Concordo que não são guias turísticos, por isso entendo o não mostrar tudo o que é bonitinho e o não provar dos pastéis de Belém (por exemplo). No entanto, não posso deixar de focar que Portugal tem um povo muito mais alegre daquele que é retratado. Achei o Lobo Antunes um pouco forte de mais. Estamos em crise e realmente acho que não podemos dissociar Portugal dessa realidade, mas eu não me revejo na ideia de que "Portugal é aquilo que o mar não quis", nem vivo preso aos fantasmas do passado. Por muito que ele ache isso, tem de ter a noção que isto é visto nos 4 cantos do mundo por milhões de pessoas, e para mim não passa a verdade. Nem Portugal, nem os Portugueses de hoje são aquilo que ele retratou (independentemente de serem melhores ou piores ou mesmo da crise). Nós não somos merda, só se for lá na "toca" dele. É a minha simples opinião. Quanto à autenticidade, eu acho que o programa está bem montado e acho que ele até fica com uma boa ideia do país, mas não sei se não poderiam ter variado um pouco mais e não mostrar apenas o "lado fado" de Lisboa (o tempo limitado do programa também não dava para muito mais). Mas eu gostei muito.

Para finalizar, parabéns aos Dead Combo que com isto entraram no top 10 de musicas vendidas no itunes nos states. São uns artistas geniais, com muita originalidade.

Periquito disse...
Este comentário foi removido pelo autor.